sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Game over


 Não voltarei a deixar que entres na minha cabeça. Sabes porquê? Não mereces que por um único milésimo de segundo, o meu pensamento seja direccionado para ti. Nem mereces sequer que te diga o meu dia, que te conte como estou ou até mesmo as minhas coisas. Os desgostos e felicidades, são só para quem não me larga mesmo com uma vida preenchida. Na verdade, acho que nunca precisei de ti na minha vida. Pensei ter precisado, sim, mas não. Eu safo-me sozinha, como sempre. Nunca dependi de ninguém, não iria ser agora, quando tu chegas à minha vida, que isso ia mudar.
Para além disso, após tanta coisa que vi, não deixaria que no meu coração tivesses lugar. Gosto demasiado de mim. Antes de gostar de toda a gente à minha volta - o que é complicado - gosto de mim. Sou demasiado diferente para me igualar ao sofrimento de alguém. Mais do que alguém possa imaginar e é graças a isso que te sei pôr para trás com um ponto final. Desta vez, falo a sério. Não ocupas a minha vida no presente. Fizeste-o no passado; foi bom. O meu futuro, não será decerto contigo de maneira nenhuma. Mas não deixo de te agradecer os bons momentos. E com tudo isto, fiz delete na minha vida em tudo o que me faz lembrar de ti. Felizmente que já eram poucas as coisas.

6 comentários:

daniela monteiro disse...

não tens de agradecer (:

Inês Oliveira disse...

Dizem que "Só faz falta quem está", não é exactamente assim.. No entanto, quem está pode ajudar a ultrapassar a dor deixada por quem se foi..
Vou estar sempre aqui, pequenina! Amo-te

Inês Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Inês Oliveira disse...

Claro que sim, tudo se resolve..

Marina Torres disse...

"Gosto demasiado de mim" acho que deve ser assim mesmo (:
Adorei. Sigo (: *

Marina Torres disse...

De nada (: