sábado, 24 de março de 2012

Não quero que fiques, nem que vás...

Não pretendo vir escrever com o coração, hoje, mas sim com a cabeça. Com a cabeça bem assente neste ponto ciente que é a realidade. É dura. Dói. Deixa-nos a chorar e cabisbaixos. Envolve-nos e magoa-nos. Faz-nos perder a paciência e todo o querer que em nós habita. Faz-nos querer deixar ir sem voltar rapidamente. Faz-nos... ou pelo menos a mim faz-me querer ir sem voltar. Mas hoje, tomei a decisão que eu vou ficar e nunca mais ter vontade de partir para bem longe daqui porque todas as vontades que tinha, eram por ti. E um ti, que não me sustenta, não me aguenta e não me fascina mais. Pensava em ti antes de me lembrar que existo e que sou eu quem interessa. Pensava em ti para tomar as atitudes mais difíceis e até as mais fáceis o que era extremamente ridículo. Eu dependia de ti. No fundo, ainda dependo, porque o meu coração não deixará nunca de ter o teu nome gravado. Penetrei-o com toda a força para ter a certeza que dele nunca sairias, mesmo que um dia largasses o meu pensamento... e assim será. Ou pelo menos, no que depender de mim.

Queria que soubesses que toda aquela beldade que um príncipe como tu tem, ou deve ter, em ti, não fui capaz de a encontrar. Os teus pontos fracos, desta vez, não superaram os bons. O teu exterior é do mais puro, mas o teu interior, do mais maldoso e cruel. Não fui capaz de sequer tentar pôr mais uma vez que fosse as minhas mãos no fogo por ti. Chegaram as vezes que subi a montanha mais alta e me atirei de lá na esperança de te ter para me salvar e no entanto, no final, acabei por cair em cima de espinhos que doeram bastante a sair do meu corpo. São sequelas que vão ficar uma vida inteira gravadas em mim e olha, infelizmente, é em ti que vou pensar.
Agora relembra-me todas as tuas virtudes...
... Não são quase nenhumas. Ah! Talvez o teu sorriso. O teu olhar. Contudo, por mais profundos e aconchegadores que sejam, não me transmitem plena confiança desde há muito tempo. E tu só me magoas. Claro, tenho os olhos vendados só para ti... infelizmente ainda consigo usar a palavras "mágoa" para descrever o que me vai no coração por ti, porém, será a única vinda de cá de dentro para ti, pelo menos hoje, porque a minha cabeça não consegue mais suportar as tuas indecisões.
Outrora, queria-te na minha vida eternamente, mas não o consigo querer agora e nem sei como te dizer que te quero excluir da mesma nem que sejam por meros dias. Mas preciso! Preciso tanto quanto preciso de mim. E ó, é tanto o quanto eu preciso de mim e é tanto o quanto eu sinto a minha falta por causa de ti.

Depois de assistir a tanta coisa que me deixou perplexa, não sei mais que termos hei-de utilizar contigo, nem sei mais o que sinto por ti quanto mais, se te considero meu amigo. Meu confidente e meu companheiro como antes. Não sei mais de nada disso, tal como não sei que língua utilizar mais para te transmitir isto tudo. Já pensei demasiado em simplesmente dizer-te "sai. Sai para que tudo na minha vida ganhe rumo de novo e quanto estiver tudo bem, deixo-te voltares." mas era compreensível que não voltasses e talvez, nesse momento eu já nem iria querer ou até talvez, nem te iria dizer que te quero de voltar a pertencer à minha vida. Não sei. Não te sei mais que dizer.
Tudo o que pensei, hoje saiu sem que eu tivesse de me esforçar para escrever algo com sentido. Acho que agora compreendes que não sou realmente de ferro e que nada no teu mundo é como eu gostaria de ver... Eu entendo tudo, tu simplesmente pensas que consigo não ver nada. Mas tenho a dizer-te que é mentira. Sei de tudo. Tudo aquilo que quero e até mesmo, infelizmente, aquilo que não quero.

Não me irei despedir como sempre o faço dizendo que sou a tua eterna amada, porque isso já tu sabes, dirijo-me a ti e ao final desta carta sem sentido com um sorriso e mesmo de olhos inundados, não muda o que sinto por ti.
...
"És o meu oposto, mas o meu melhor lado."

3 comentários:

Ana Margarida disse...

Está lindo, e sabes? Talvez, seja melhor dizeres tudo o que sentes. Que queres encontrar-te, mas que não o queres mandar, também, embora. Não tens de passar por isso sozinha, ele vai ajudar-te em relação a isto * Sê forte e se precisares de alguma coisa, conta comigo.

Pedacinhos de mim disse...

Depende de nós formarmos a vida que temos, abandonar quem não faz parte de nós e agarrar quem nos faz felizes. Lutar vale sempre a pena, sempre mesmo nem que seja para aprendermos a ser mais adultos. Gostei mesmo deste teu post, Tem um bom fim de semana :)*

Filipa disse...

Visita, vais gostar mesmo muito: http://forcaumapaginadehistoria.blogspot.pt/